Poesia em homenagem a Jayme Miranda

A busca.
Lá da terra dos marechais
Sonhando mudar o que não se muda,
Nasceu esse rapaz,
Em vermelho fez a vida,
Travou luta perdida
Como sombra vagou clandestino
Subversivo! Bandido!
Bradavam homens de bota
Prisioneiro do ideal,
No cárcere selou seu destino,
Dizia sempre não como resposta
Pensava nos filhos e na amada
Para diminuir o peso da jornada
Morto, esquartejado, jogado ao mar
Ou terá sido ao Rio?
De certo, ninguém sabe
Desde aquele fevereiro anda sumido,
A dor como queimadura
Herança para o filho
Que ainda hoje clama
Onde está Jayme Miranda?
Thyago Miranda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>